Centro Universitário UDC apresenta os resultados da edição de 2019 das quatro pesquisas das pontes

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

Na última sexta-feira (27), o Centro Universitário UDC apresentou os resultados da edição de 2019 das quatro pesquisas das pontes, sendo estas “Pesquisa sobre o perfil das pessoas que atravessam a Ponte Internacional da Amizade”, “Pesquisa sobre o tráfego de veículos e pessoas que atravessam a Ponte Internacional da Amizade”, “Pesquisa sobre o perfil das pessoas que atravessam a Ponte Internacional de Fraternidade”, e “Pesquisa sobre o tráfego de veículos e pessoas que atravessam a Ponte Internacional da Fraternidade”.

A ocasião contou com a presença da Reitora do Centro Universitário UDC, Professora Rosicler Hauagge do Prado, e do Vice-Reitor, Dr. Acir Amilto do Prado. A Reitora abriu a solenidade agradecendo a presença das autoridades de órgãos parceiros.

Compareceram ao evento o Delegado da Alfândega da Receita Federal, Paulo Sérgio Cordeiro Bini; o presidente da ACIFI, Faisal Saleh, e um membro da diretoria do Conselho Superior da ACIFI, Rudney Lopes Vargas; o presidente da CODEFOZ, Mario Camargo; o Delegado da Polícia Federal, Fábio Seiji Tamura; o representante do Polo Iguassu, Jaime Mendes; o representante do DNIT, Luiz Carlos Leandro; presidente do Comtur, Carlos Silva; o Secretário Geral do Fundo Iguaçu, Yuri Benitez; o cônsul do Consulado Paraguaio, Luis Copari; o representante do Ministério da Agricultura, Adinan Galina; o presidente do SINDIHOTEIS, Neuso Rafagnin; os representantes da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, Claudio Lorenzo e Ramiciely Carlessi; e a Secretária da Secretaria Nacional de Turismo do Paraguai, María Rocío Maldonado.  

Durante a apresentação, o abandono do achismo foi um tema em comum destacado pelos convidados. Até a pesquisa do Centro Universitário UDC ser idealizada, não havia uma fonte de informação sobre o trânsito de veículos e pessoas nem do perfil dos visitantes em ambas as pontes internacionais. Sem esses dados, os empreendimentos turísticos, gastronômicos e hoteleiros de Foz do Iguaçu baseavam-se em especulações e opiniões.

O Vice-Reitor Dr. Acir Prado elogiou o trabalho do filho, o Pró-Reitor Prof. Dr. Fábio Prado. “O resultado dele é fantástico porque as pessoas não vão pensar no achismo. Elas vão ter dados concretos e, a partir daí, estabelecer critérios de negócios e de atividades, que, por sua vez, a tendência é dar mais certo do que baseado no achismo”.

De acordo com Mário Camargo, presidente do CODEFOZ, as quatro pesquisas são de tremenda importância. “Nós, anteriormente, trabalhávamos muito com achismo. As últimas pesquisas que vocês fizeram nos embasaram para dar alguns subsídios, como a movimentação da ponte e como trabalhar essa movimentação”, afirma o presidente. Ele também relatou que poucas pessoas têm noção de quantos veículos trafegam pela Ponte Internacional da Amizade e como a pesquisa traz essa certeza por meio de dados.

O presidente da ACIFI, Faisal Saleh, acredita que a pesquisa auxilia os investidores que se interessam pela Tríplice Fronteira. “Para as pessoas que querem fazer um investimento mais assertivo, saber realmente o trânsito da ponte da Amizade. A pesquisa da UDC traz esse fortalecimento, traz mais informações, que é o que credibiliza qualquer trabalho possível de negócio que vai ser desenvolvido”.

Para a ACIFI, a informação da pesquisa é muito segura e tem sido consistente ao longo de todos os anos de sua realização. A segurança para o turismo e morador da região também foi um ponto enfatizado pelo presidente.

“A pesquisa é bastante importante. Os números que são obtidos são realizados para fazer os nossos planejamentos, inclusive para planejamentos futuros, como instalação de equipamentos e câmeras para efetivar o controle de trânsito de pessoas e veículos”, afirma o delegado da Polícia Federal, Fábio Seiji Tamura.

Os dados levantados são significativos para a Receita Federal. Com eles, é possível dimensionar a quantidade de pessoas e veículos e também o perfil de quem está passando pela ponte. “Um trabalho desse nos dá dimensão de como agir, como proceder, de que forma vai ser a abordagem. Hoje, estou diante de uma fonte que diz que 95% das pessoas que estão passando na Ponte Internacional são realmente turistas, trabalhadores do dia a dia”, relata o delegado da Receita Federal, Paulo Sérgio Cordeiro Bini.

Neuso Rafagnin, presidente do SINDIHOTEIS, agradeceu a UDC pela dedicação. “Uma cidade que tem pesquisas, tem investimento. Eu acredito muito nessa situação. E essa informação que estamos recebendo é importantíssima para saber o que cada um vai fazer, o que ele vai buscar ou levar”.

As pesquisas auxiliam, ainda, na tomada de decisões importantes, de acordo com o Cônsul do Consulado Paraguaio, Luis Copari. “A aquisição das informações para poder tomar decisões é um trabalho muito amplo que requer tempo e muito sacrifício. Apesar de termos a tecnologia ao nosso favor hoje, as pessoas ainda são requeridas para este trabalho. É importante se basear em toda a documentação cientifica para tomar decisões”, afirma.

A Secretária da Secretaria de Turismo do Paraguai, María Rocío Maldonado, agradeceu a UDC pela pesquisa e enfatizou a necessidade de utilizar os dados para satisfazer as demandas turísticas da região. “Essa pesquisa nos ajuda a crescer e desenvolver”.

Segundo Carlos Silva, presidente do Comtur, o levantamento contém informações preciosas para os empresários e novos investidores. “É de grande importância para darmos sequência aos projetos, principalmente, para gestão para os próximos 10 anos que estamos pleiteando, que é a Conferência Municipal do Turismo. Nela, muitas sugestões, minhas ideias, são colocadas para melhorar a cidade. Não só para o turismo, mas para quem vive, como nós”.

Início da pesquisa

As pesquisas de contagem de veículos e pessoas e perfil de pessoas ocorre desde 1996, tendo sido idealizada pelo Pró-Reitor Professor Doutor Fábio Hauagge do Prado. Ele contava e entrevistava as pessoas sozinho, apenas com uma caneta e uma prancheta.

“Iniciei a pesquisa ainda na graduação. Hoje, mais de 100 pessoas atuam diretamente no trabalho que resulta em dados científicos que servem de base para ações estratégicas de diversos setores. Para a segurança pública, essas informações ajudam no planejamento estratégico e aquisição de equipamentos para as aduanas. Já para o turismo, os dados levam um embasamento certeiro da situação atual e de oportunidades de negócio no setor para os empresários locais e de fora”, afirma o pró-reitor.

Em 2011, criou-se um formato técnico direcionado para maior utilidade da comunidade. Desde então, todos os anos, o Centro Universitário UDC convida acadêmicos e corpo docente para realizar a pesquisa em ambas as pontes.

Destinada aos órgãos de segurança, comércio e, principalmente, para o turismo, a pesquisa é totalmente financiada pela UDC. Nos últimos anos, no entanto, sua realização contou com a parceria da Universidade de Roma Tre, localizada na Itália.

A edição de 2019 das quatro pesquisas já estão disponíveis no site da UDC para consulta de toda a população: http://www.udc.edu.br 

(Assessoria UDC – Foto: Adilson Borges))   

 

Explore mais