Itaipu e PNUD lançam plataforma inédita de acompanhamento dos ODS em nível municipal

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

A Itaipu Binacional, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), lançou nesta quinta-feira (22), no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), a Plataforma Oeste 2030, um software que vai compilar 67 indicadores ambientais e fazer o monitoramento do progresso dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) na região Oeste do Paraná.

De acordo com a coordenadora de Desenvolvimento Humano do PNUD, Samantha Salve, esta é a primeira plataforma das Nações Unidas feita para acompanhar os ODS em nível municipal. “É uma iniciativa inédita do PNUD e única do mundo”, afirmou. Segundo ela, o uso do software vai ajudar a melhorar os indicadores e facilitar o acesso às informações para gestores e para a população.

Para o diretor de Coordenação da Itaipu, Newton Kaminski, que representou a binacional na solenidade, as informações reunidas na plataforma vão ajudar Itaipu a potencializar suas ações para atingir as metas dos ODS. “Para desenvolver o território é preciso conhecer o território”, resumiu. “Vamos aperfeiçoar cada vez mais as atividades e entender quais projetos precisamos melhorar”.

Segundo Kaminski, outro benefício da ferramenta é sua possibilidade de ser replicada para outras regiões do Paraná e do Brasil. Já está em teste o uso da plataforma em 110 municípios de 14 estados onde a Petrobras atua, além de outras cidades no Piauí.

“Uma empresa que quer fazer um investimento precisa contratar uma série de estudos. E isso é bastante caro. Agora temos esta plataforma com uma riqueza enorme de dados. Com certeza usaremos para o desenvolvimento da região”, afirmou o presidente do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), Danilo Vendrusculo.

Plataforma

A criação da Plataforma Oeste 2030 tem origem no Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil, que também tinha como base os indicadores socioambientais para medir e evolução do IDH no País. Em 2015, quando o Brasil assumiu o compromisso global de alcançar o desenvolvimento sustentável por meio da Agenda 2030, as ações começaram a se voltar para o monitoramento dos ODS.

“Em 2016, a Itaipu nos procurou para desenvolver uma nova plataforma que localize a evolução dos ODS nos municípios”, explica Samantha. Segundo ela, este trabalho se desenvolve em três linhas de ação: diálogo com a população, avaliação e monitoramento e formação dos agentes locais. “Conversamos com 2.574 pessoas que ajudaram a levantar as principais demandas socioambientais da região”.

A plataforma se baseia em indicadores oficiais, cobrindo cada um dos 17 ODS. Os dados do Sistema Único de Saúde (SUS), por exemplo, mostram a evolução do ODS 3, sobre saúde e bem-estar. As informações do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) apontam o andamento do ODS 4, sobre educação. E assim por diante.

“Tomamos como base indicadores oficiais já existentes, dos níveis federal, estadual e municipal”, completa Samantha. “O uso constante da ferramenta também vai melhorar a coleta dos dados”. Para ela, além da ajudar nas políticas públicas municipais, a plataforma vai democratizar o acesso a estas informações pela população.

(Itaipu Binacional – Fotos: Nilton Rolin / Itaipu Binacional)

Explore mais