Itaipu participa das celebrações do Dia Nacional da Onça-Pintada

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook

A Itaipu Binacional promove, nesta semana, uma série de atividades com crianças e jovens dos públicos interno e externo da empresa para comemorar o primeiro Dia Nacional da Onça-Pintada, celebrado neste 29 de novembro. A data foi incorporada ao calendário brasileiro a partir deste ano, por meio de portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA), publicada em outubro. A partir de agora, a onça-pintada (Panthera onca) também passa a ser o Símbolo da Biodiversidade Brasileira.

Na terça (27) e na quarta-feira (28), os turistas que passaram pelo Centro de Recepção de Visitantes (CRV) puderam participar de jogos de tabuleiro, atividades de colorir e de pintura facial alusivos à onça-pintada. Os participantes também puderam tirar fotos em um totem montado no local, com o slogan “Eu sou amigo da onça”. A intenção é contribuir para a preservação da espécie, destacando à importância do maior felino das Américas e sua relação com a biodiversidade.

Nesta quinta (29) e sexta-feira (30), 160 jovens do Programa de Iniciação e Incentivo ao Trabalho de Itaipu participam de atividades sobre o tema no Refúgio Biológico Bela Vista (RBV).

A programação é organizada pelas divisões de Educação Ambiental e de Reservatório, em parceria com as equipes da Estação Ciência, do Parque Tecnológico Itaipu.

“O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, sugeriu que, neste dia, os zoológicos poderiam preparar atividades de conscientização e preservação”, explicou Michelle Pires Cubilla Perez, da Divisão de Áreas Protegidas.

Com os adolescentes, a proposta é despertar nos jovens o senso de pertencimento das ações ambientais desenvolvidas pela Itaipu e que contribuem com a biodiversidade. Durante a manhã e a tarde, eles vão ajudar no preparo de enriquecimento ambiental das onças e também de outras espécies, como macacos-prego e cachorros-do-mato, sob a orientação da equipe de fauna. A técnica tem o objetivo de aumentar o bem-estar dos animais em cativeiro.

“Nossas protagonistas são as onças, mas para proteger a espécie, precisamos cuidar também de seu habitat e das outras espécies que nele vivem”, afirmou Michelly dos Reis Laurindo, da Divisão de Educação Ambiental. “Por isso, nessa semana vamos celebrar toda a nossa biodiversidade”, completou.

A binacional está engajada diretamente na preservação da espécie. Há 16 anos, a empresa mantém o programa de reprodução em cativeiro da onça-pintada.

O primeiro nascimento ocorreu em 2016. Foi a onça Cacau, que completará dois anos em dezembro. Escolhida como símbolo do Refúgio, Cacau é uma onça-pintada preta (melânica), assim como sua mãe, Nena. O pai é uma onça-pintada com pigmentação habitual da espécie. O macho Valente também vive no RBV.

Outro trabalho que contribui para o repovoamento das onças na região é a recomposição de áreas ambientais degradadas na sua região de influência.

Preservação assegurada: da fronteira para o mundo

A defesa para instituir um dia dedicado à espécie foi feita pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP/ICMBio) e o Projeto Onças do Iguaçu junto ao Ministério do Meio Ambiente. Segundo o MMA, o animal também foi escolhido como o “símbolo brasileiro de conservação da biodiversidade”, por representar uma espécie-chave da indicação de um ecossistema saudável.

A iniciativa repercutiu em âmbito internacional. Em 20 de novembro, organizações não governamentais e países de ocorrência da espécie declararam 29 de novembro o “Dia Internacional da Onça-Pintada”, seguindo a inciativa do governo brasileiro. A decisão ocorreu durante a Conferência entre as Partes da Convenção de Diversidade Biológica (COP14), realizada de 17 a 27 de novembro no Egito.

“O papel de liderança que o Brasil vem exercendo nos esforços de conservação da espécie impulsionaram a data comemorativa escolhida para o nível internacional”, ressalta Ronaldo Gonçalves Morato, coordenador do Centro Nacional de Pesquisas e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap), do ICMBio.

Segundo o ICMBio, o lançamento do “agora” Dia Internacional da Onça-Pintada no Parque Nacional do Iguaçu, não é por acaso. É na fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai que um grupo de pesquisadores deu um passo pioneiro nas ações integradas (transfronteiriça) de pesquisa e conservação da espécie. A iniciativa foi reconhecida pelas Nações Unidas em março deste ano.

O esforço integrado destes países resultou na recuperação da população de onças pintadas no que chamamos de Corredor Verde, região que compreende a bacia do Alto Paraná. “Saltamos de uma população efetiva estimada em 50 indivíduos em 2008 para os atuais 100 indivíduos”, afirma Ronaldo. “É uma grande conquista, mas os esforços não podem parar. Para a região, nossa meta é atingir 250 indivíduos até 2030. Contamos com o apoio de todos, junte-se a nós”, ressalta Ronaldo.

 

(Itaipu Binacional – com informações do ICMBio, MMA e Onças do Iguaçu)

Explore mais