Parque das Aves quebra recorde histórico de visitantes para um único dia

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O Parque das Aves teve um saldo positivo durante o feriado de Carnaval. No domingo, 3, passaram pelo atrativo 7.612 pessoas, o maior número de visitantes para um único dia da história dos 24 anos do atrativo. O recorde prévio, de 2015, foi de 6.400 pessoas durante todo o dia.

Esse crescimento expressivo que o Parque das Aves vem observando a cada ano segue uma tendência da cidade de Foz do Iguaçu, destino de muitos viajantes brasileiros e estrangeiros. E manter um atendimento de qualidade do início ao fim da experiência do visitante é um dos maiores desafios.

“Nosso foco é oferecer a nossos visitantes um serviço de excelência do começo ao fim do passeio pelo Parque das Aves, com atendimento cada vez mais rápido e sem filas, suporte diferenciado dos monitores em trilha, além de estruturas renovadas e cardápio atualizado no restaurante. Tudo para oferecer uma experiência inesquecível para o visitante”, comenta Jurema Fernandes, diretora administrativa do Parque das Aves.

A tendência de o viajante procurar cada vez mais destinos que ofereçam experiências enriquecedoras e diferenciadas, com atrativos e hotéis preocupados com os impactos sociais e ambientais, coloca Foz do Iguaçu em evidência. E com visitantes mais interessados em aprender durante a viagem, a experiência vivenciada no Parque das Aves, com seu trabalho de conservação de espécies da Mata Atlântica, é muito marcante.

Em 2019, o Parque das Aves celebra 25 anos de existência, e muitas novidades, como a inauguração do Viveiro Cecropia, com meio hectare de tamanho, promete atrair ainda mais visitantes para a cidade.

“Nossa expectativa de visitação está muito boa para este ano, apesar do número baixo de feriados prolongados, pois a ampliação do Parque vai fazer com que muitos visitantes voltem ao atrativo ainda este ano para conhecer o novo maior viveiro de imersão da América Latina, com alimentação de periquitos”, acrescenta Jurema.

(Assessoria)

 

More to explorer