Produção de Itaipu em 2015 atenderia todo o Brasil por dois meses 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

 A menos de 20 dias para encerrar o ano, Itaipu caminha para fechar 2015 com uma produção um pouco acima dos 89 milhões de megawatts-hora (MWh) ante 87,8 milhões de MWh em 2014.Toda a energia produzida pela binacional em 2015 poderia atender o consumo de eletricidade da cidade de São Paulo durante três anos ou, ainda, o Brasil inteiro por dois meses e uma semana. 

A diferença em relação ao ano passado deve ficar em aproximadamente 1,3 milhão de MWh, ou 1,5% a mais. Só essa quantidade daria para abastecer uma cidade de 600 mil habitantes, como Londrina, no Norte do Paraná. Ou, ainda, 30% de uma cidade do porte de Curitiba. Nesta segunda-feira, 14, a produção de Itaipu chegou, às 9h30, a 84.708.676 MWh.

Vital para o setor –  A energia de Itaipu continua sendo preponderante para o setor elétrico. O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema (ONS), Hermes Chip, disse que, a exemplo do que ocorreu em 2014 e 2015, a usina de Itaipu e as demais hidrelétricas do Sul do Brasil vão assegurar o abastecimento de energia no País em 2016, sem risco de colapso. O ONS é o órgão que coordena toda a operação do setor elétrico brasileiro. 

Segundo Hermes Chipp, Itaipu, principalmente, será fundamental para amenizar os efeitos da seca na bacia do Rio São Francisco, na Região Nordeste. O reservatório de Sobradinho zerou o volume útil em novembro deste ano. Com base nas previsões meteorológicas, Chipp afirmou que “em 2016, não haverá uma condição climática favorável do baixo São Francisco, de Sobradinho até a foz do rio, ao contrário do cenário em Itaipu”. E completou: “Vamos transferir o excedente de energia de Itaipu para o Nordeste, pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), e não teremos problema nenhum no abastecimento”. 

Brasil e Paraguai – Para o diretor técnico executivo de Itaipu, Airton Dipp, a declaração de Hermes Chipp confirma que Itaipu vem trabalhando de forma sustentável para garantir o suprimento de energia dos sistemas elétrico do Brasil e do Paraguai. 

“Os dados de 2015 – tanto de produção, quanto de produtividade -, quando o Brasil mais uma vez enfrentou escassez hídrica, mostram que o modelo de gestão adotado em Itaipu este ano foi um sucesso”, disse Dipp. E será adotado também em 2016, mas com uma expectativa ainda melhor do que neste ano, já que El Niño, em relação às condições hidrológicas, deve trazer um primeiro semestre na região melhor do que em 2015. Isso significa mais chuva e, portanto, mais água de forma permanente. 

Média de 93 milhões de MWh – Apesar da escassez hídrica do biênio 2014-2015, a média de produção da Itaipu dos últimos cinco anos está acima dos 93 milhões de MWh. Em 2013, com condições hidrológicas mais favoráveis, excelente desempenho da usina e consumo excepcional – Itaipu bateu seu próprio recorde e estabeleceu como marca anual 98,6 milhões de MWh. 

Para o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, a boa performance de Itaipu comprova que investir em hidrelétrica é um bom negócio para o presente e para o futuro. “O mundo inteiro vem discutindo formas para reduzir os impactos e emissões de gases efeito estufa apontando com uma das saídas o investimento em energias renováveis. O Brasil tem feito isso”, afirmou. 

A geração de eletricidade, no País, é uma das mais limpas do planeta. Do total da capacidade instalada, de 135 mil megawatts, apenas 26 mil correspondem à energia produzida por usinas de termeletricidade, menos de 20% do total. A hidroeletricidade corresponde a 66% da matriz elétrica brasileira. Quando se verifica as usinas mais frequentemente despachadas, as que efetivamente são utilizadas, este percentual se eleva ainda mais. 

Produtividade – Além da produção, Itaipu teve outro ponto de destaque em 2015: a produtividade. O bom desempenho é baseado em três indicadores, explica o superintendente de Operação, Celso Torino. O primeiro ponto foi que, a exemplo de 2014, a disponibilidade das 20 unidades geradoras deve ficar este ano acima dos 96%. Já a indisponibilidade forçada das mesmas máquinas, índice que mede o percentual de falhas técnicas ou humanas que não permitiram que as unidades geradoras produzissem, ficará abaixo de 0,1%, considerada uma marca excepcional. 

Por último, o Fator de Capacidade Operativa, indicador que mede o grau de aproveitamento da água na produção de energia, “apesar da indesejável volatilidade dos volumes de água deste ano, ficará mais uma vez acima dos 97%”, diz Torino. 

O superintendente de Operação conclui que “a combinação desses indicadores reafirma a excelente performance operacional da hidrelétrica, resultado da qualidade do seu projeto, da construção, da manutenção e da operação interna e coordenada com seus principais parceiros, a empresa paraguaia Ande e as brasileiras Eletrobras, Furnas e ONS”. 

 

Itaipu atinge a operação acumulada de 2,31 bilhões de MWh  

 No dia 12 de novembro deste ano, a Itaipu chegou à marca histórica de 2,3 bilhões de MWh de produção acumulada e, ao final de 2015, atingirá 2,31 bilhões de MWh, volume que a mantém como líder mundial em produção de energia limpa e renovável. 

Toda essa energia foi produzida durante 31 anos e sete meses, a contar de maio de 1984, quando a usina binacional começou a operar. Essa energia daria para abastecer o consumo de eletricidade do mundo inteiro por 38 dias e dez horas. Esse volume seria suficiente, também, para atender o consumo de energia elétrica do Brasil por quatro anos e dez meses e a demanda elétrica de uma cidade do porte de São Paulo por 78 anos. 

Maior em produção – Os 2,31 bilhões de MWh mantêm Itaipu como a maior geradora de energia elétrica limpa e renovável do planeta. Em segundo lugar, em produção acumulada, aparece Guri, na Venezuela. Com início de operação em 1978, a usina venezuelana produziu até hoje 1,3 bilhão de MWh. Em terceira posição vem Grand Coulee, nos Estados Unidos, que opera desde 1941, com 1,2 bilhão de MWh. 

O quarto lugar é ocupado pela hidrelétrica russa Sayano-Shushenskaya, que desde 1978 produziu 0,9 bilhão de MWh. No ranking, aparece na mesma posição a canadense Churchill Falls, que desde 1971, produziu 0,9 bilhão de MWh. E a chinesa Três Gargantas, maior do mundo em capacidade de equipamentos de geração instalados, que iniciou operação em 2006, também gerou até agora 0,9 bilhão de MWh. 

Participação no mercado – Itaipu responde atualmente por 16% de toda a energia elétrica consumida no Brasil e atende mais de 75% do mercado paraguaio de eletricidade. Para Brasil e Paraguai, sócios da usina, a produção de Itaipu é fundamental para a infraestrutura energética, para a integração e para o desenvolvimento dos dois países. 

Cenários extremos em 2015 – Em 2015, Itaipu viveu cenários extremos, com períodos em que o reservatório recebeu água abaixo da média seguidos de duas grandes cheias. Nas duas situações foi necessário agir com precisão e agilidade otimizando todos os recursos à disposição, humano e técnico. Assim ocorreu no período de escassez e depois quando a chuva chegou. 

Graças à boa gestão de cheias, por exemplo, a primeira em julho e a segunda nos dois últimos meses, foi possível formar um volume de espera no reservatório, permitindo o melhor aproveitamento das águas. Mesmo produzindo em carga máxima, Itaipu precisou verter por causa do fenômeno El Niño, que trouxe mais chuvas a toda a Bacia do Rio Paraná. 

Nas últimas semanas, a usina está com o reservatório cheio, em condições plenas de atender o consumo de energia dos dois países, sócios do empreendimento. A usina vem mantendo o vertedouro aberto, mesmo suprindo toda a energia pedida pelo setor. 

“Outro fato relevante em 2015 foi a capacidade de reação da usina diante de picos de consumo ou de eventuais interrupções não programadas de oferta de geração de outras usinas. A capacidade de potência da Itaipu é impressionante e independente da questão energética”, diz Torino. 

Ele explica ainda que a disponibilidade da Itaipu no verão de 2015 foi fundamental para atender a ponta do consumo dos sistemas brasileiro e paraguaio. E complementa: “Contar com a capacidade de resposta de uma usina hidráulica e, portanto, rápida e não intermitente, com uma instalação nominal de 14 mil MW, é um privilégio de poucos sistemas interligados nacionais do planeta”. 

 

More to explorer